As três toranjas

Em 1968, uns dias antes de eu e minha família voltarmos aos Estados Unidos depois de 6 anos de estadia no Japão, um amigo da Califórnia veio visitar-nos e deu-nos 3 toranjas de uma caixa que tinha trazido na viagem. Na época, e por causa das restrições de importação, os frutos do estrangeiro, tais como … Continue reading As três toranjas

Roxo

No primeiro ano a sra Lohr Disse que o meu tipi roxo Não era realista, Que o roxo não era uma cor Para uma tenda, Que o roxo era uma cor Para pessoas que morrem, Que o meu desenho não era Suficientemente bom Para ser mostrado com os outros. Voltei para o meu lugar A … Continue reading Roxo

A bondade do mundo

Um texto que vale a pena ler: É só parar e relaxar um pouquinho que a bondade do mundo inteiro aparece. Quando uma pessoa vem falar algo, quase sempre ela não está nos enganando. É incrível! Ela poderia nos enganar, o mundo poderia nos enganar o tempo todo, mas não. Ela está realmente ali, frágil, … Continue reading A bondade do mundo

O presente das nossas feridas

Numa entrevista à revista Yes! a autora e ativista canadiana Leanne Simpson, conta que escolheu viver num lugar poluído e difícil, porque “não abandonamos algo porque está danificado”. Ela diz, mais especificamente “quando penso na terra como a minha mãe, ou se penso nela como uma relação familiar, não odeio a minha mãe porque está … Continue reading O presente das nossas feridas

Sê a tua própria luz

Ananda, um dos discípulos mais próximos do Buda, preocupado com o futuro da comunidade budista, perguntou-lhe antes de morrer quem lhe iria suceder e a resposta dele foi simples e extraordinariamente profunda: attadīpā viharatha attasaraṇā anaññasaraṇā, dhammadīpā dhammasaraṇā anaññasaraṇā. Sendo dipa traduzida por vezes como lâmpada ou ilha, uma tradução possível seria: Sejam luz/ilhas para … Continue reading Sê a tua própria luz

Começar de novo

A cada instante algo nasce e algo morre. Uma palavra, um grito, um sonho, uma amizade, um ser. A cada instante um mundo novo espreita-me num pestanejar. Por vezes não vejo. Por vezes luto e não quero. Resisto. Não sei. E continuo a lutar. Falho. Mas posso sempre começar de novo. Suponham que uma nuvem … Continue reading Começar de novo